A Romaria de Nossa Senhora de Caravaggio em cinco imagens

Fotos feitas pelo fotógrafo Neimar de Cesero resumem os dois dias de festa no Santuário Diocesano de Farroupilha.

DOM PAULO MORETTO, DOM ALESSANDRO RUFFINONI E OS JOVENS:

* foto cedida por Larissa Rizon

Foram os mais de 500 jovens que integraram a sexta edição da Romaria da Juventude que fizeram a diferença na missa campal do sábado (25). Conduzida pelo bispo Dom Alessandro Ruffinoni, a celebração também marcou o aniversário de 83 anos de Dom Paulo Moretto, bispo emérito da Diocese de Caxias do Sul – ele também celebrou 58 anos de vida religiosa. Ainda que com limitações de saúde, Dom Paulo vibrou quando se aproximou dos jovens e ouviu o cântico de parabéns de maneira bastante efusiva por parte da turma de romeiros. Dom Alessandro também lembrou que, na próxima romaria, o novo bispo da Diocese já deve estar apresentado e integrado à comunidade.

NOVIDADES SÃO BASTANTE VISITADAS

Esta romaria é a primeira que fiéis puderam conferir de perto a imagem remodelada de Caravaggio. Ela ficou no Recanto do Rosário, situado atrás do Santuário, e foi um dos pontos mais visitados, bem como o Mirante das Graças, onde os devotos amarraram fitinhas de Caravaggio e puderam fazer pedidos – ou, é claro, agradecer. Os dois pontos foram também bastante fotografados pelos fiéis.

A CULTURA DO ENCONTRO

O lema da 140ª Romaria de Nossa Senhora de Caravaggio foi ouvido, cantado e repetido por diversos romeiros: “Com Maria, a Mãe de Jesus, por uma cultura do encontro”. O lema atendeu a um insistente desejo do Papa Francisco ao pedir que seja vencida a cultura da exclusão, do descartável e da globalização da indiferença. Ele foi um importante instrumento para transmitir paz, serenidade e por falar a linguagem de algo que é necessário nas comunidades: encontrar-se consigo mesmo, com Deus e com Nossa Senhora.

Há 140 anos, a romaria ensina que quem caminha ultrapassa os limites do cansaço, e oferece o encontro com Caravaggio, com Deus e com o amor.

DEVOÇÃO EM CADA MOMENTO

Filas para tocar na imagem de Nossa Senhora de Caravaggio comprovaram que a fé é o melhor combustível contra o cansaço. Isto porque mesmo após percorrer mais de 20 quilômetros a pé, os romeiros não pareciam desistir diante da tarefa de permanecer em pé até tocar na santa. Na manhã de ontem, fiéis aguardavam por mais de 30 minutos em uma fila que ocupava boa parte da Esplanada. Era habitual, inclusive, romeiros chorarem ao encostar na Mãe de Caravaggio. A fé se desenhou na face de devotos em cada canto do Santuário durante os dois dias de romaria, lembrando as razões que levam, ano a ano, tantas pessoas a caminharem por Caravaggio.

O MANTO DE CARAVAGGIO

Um emaranhado de mãos sedentas por um carinho da Mãe de Caravaggio tentava alcançar o branco do véu da imagem que percorreu a Esplanada nas duas missas campais, celebradas no sábado e domingo, às 10h30min. Já tradicional, a cena é repetida nas missas com maior número de devotos e simboliza o manto de Caravaggio mais perto dos devotos. É difícil manter-se indiferente neste momento: é quando a rainha da festa chega ainda mais perto dos romeiros.

 

Fotos: Neimar de Cesero