Distrito de Cazuza Ferreira preserva tradição da Corrida de Cavalhada

O distrito de Cazuza Ferreira, pertencente ao município de São Francisco de Paula realiza no sábado, dia 06 de abril  a 12ª Corrida de Cavalhada. A programação inicia às 9h30 e vai até às 23h30.

A cada dois anos, moradores da localidade revivem a tradição das cavalhadas, que reencenam os combates entre cristãos e mouros na Europa da Idade Média.

O Vigário da Paróquia Santa Maria do Belo Horizonte de Cazuza Ferreira, Padre Lucas Antônio Mazzochini, explica que as Cavalhadas representam a luta entre mouros e cristãos, sendo amplamente divulgadas, por trovadores que viajavam por toda a Europa.

A cavalhada é uma tradição dos torneios da Idade Média (476-1453), onde os aristocratas exibiam em espetáculos públicos sua destreza e valentia. Tornaram-se populares em Portugal e no Brasil através do romance “Carlos Magno e seus Doze Pares da França”, há muitos anos atrás, tendo chegado ao Rio Grande do Sul em meados do século XVII. Em Cazuza Ferreira as cavalhadas tiveram início no final do século XIX.

O distrito de Cazuza Ferreira é uma das poucas localidades do Brasil que ainda realiza as Corridas de Cavalhadas. Ela destaca que o resgate histórico das cavalhadas proporciona para a comunidade uma oportunidade de lazer interativa onde todos os membros da família podem participar, mas  também como oportunidade de valorização turística através da proposta inovadora de turismo de base comunitária e de preservação do patrimônio cultural.

Os personagens principais são os cavaleiros, vestidos de azul (cristãos) ou vermelho (mouros) e armados de lanças e espadas. A corte é representada por personagens como o rei, o general, príncipes, princesas, embaixadores e lacaios.

No dia da performance, os cavaleiros, já com as vestimentas típicas da festa, partem para o “Cavalhódromo”, na praça de Cazuza Ferreira, local onde serão encenadas as fases da luta.  O espetáculo tem cerca de duas horas de duração. Pela manhã  ocorre a partir das 9h30 e tarde  às 14h30. (ouça áudio Padre Lucas Mazzochini)

 

Foto: Carolina Andriola / Divulgação