Dívida do Estado com o Hospital São Carlos já ultrapassa R$ 1 milhão

Desde o mês de setembro do ano passado o Hospital Beneficente São Carlos (HBSC), de Farroupilha, vem sofrendo com o atraso no envio de recursos por parte do Governo do Estado. Os valores que deveriam ser enviados mensalmente servem para o custeio de atividades básicas, o que prejudica diretamente o bom funcionamento da casa de saúde. Se somadas as parcelas em atraso, a dívida já ultrapassa R$ 1 milhão.

De acordo com a superintendente do HBSC, Janete Toigo, a primeira reunião com a atual secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, para tratar, entre outros assuntos, sobre as pendências financeiras do Estado com o HBSC, agendada para o dia 13 de março, acabou sendo cancelada. O encontro também contaria com a participação da secretária municipal de Saúde de Farroupilha, Rosane da Rosa. Desde então, de acordo com Janete, nenhum novo contato foi feito por parte do governo estadual, e tampouco há previsão de um possível encontro ou do pagamento das parcelas atrasadas.

Naquela ocasião, a reunião também serviria para reivindicar o valor de R$ 700 mil, que foi devolvido pelo município ao Estado após a desistência de abrir a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no município. Conforme portaria publicada, o montante deveria voltar ao município e ser destinado à casa de saúde exclusivamente para a compra de equipamentos, o que ainda não aconteceu. Segundo Janete, não há nenhuma expectativa a curto prazo para ter acesso aos aparelhos. Além disso, também não há novidade sobre a retomada do recurso do Programa Portas Abertas, que prevê recurso mensal de mais de R$ 100 mil, conforme o porte da instituição. Segundo Janete, o HBSC hoje atende 12 municípios e, por isso, carece bastante deste valor.

 

Ouça a entrevista com o superintendente do HBSC, Janete Toigo:

 

Foto: Mirna Messinger