Famílias de índios kaingang ganham casas novas em Farroupilha

Indígenas da aldeia kaingang, localizada na área do balneário Santa Rita em Farroupilha, receberam no sábado oito casas mistas de 34 metros quadrados. A construção das casas foi possível após um acordo entre a prefeitura e o Ministério Público para melhorar a condição das moradias dos indígenas.

Esse acordo aconteceu após fortes chuvas ocorridas no mês de outubro de 2016 onde o córrego que passa atrás da aldeia transbordou com o grande volume de água e alagou parte das casas e a escola  localizadas na parte baixa do terreno.

Na ocasião a Secretaria de Assistência Social e Cidadania, retirou cerca de 60 índios, incluindo mulheres e crianças do local. Eles foram abrigados no pavilhão 2 do Parque Cinquentenário.

O cacique da tribo Alexsander Candinho Ribeiro, disse que as novas moradias dão melhor qualidade de vida para  as famílias que estavam na parte baixa da área que agora estão fora do risco de sofrer com os alagamentos.

Atualmente a aldeia conta com 33 famílias e 133 pessoas entre adultos e crianças. O cacique informou que parte  dos indígenas trabalham em propriedades rurais da região, em industrias e na venda de artesanato.

A secretária Municipal de Habitação e Assistência Social, Maria da Glória Menegotto, que está deixando a secretaria, lembrou que essa situação vinha se arrastando há vários anos e que agora se deu uma solução definitiva. A secretária informou que resta agora pelo acordo com o Ministério Público a RGE concluir a rede elétrica e a Secretaria Especial de saúde indígena (SESAI) realizar as obras de  saneamento básico como também um projeto já protocolado em Brasília para que seja fomentado a renda dos indígenas  através do artesanato. O investimento do município na construção das casas foi de pouco mais de R$ 100 mil.

As crianças da comunidade kaingang estudam na Escola Estadual Indígena de Ensino Fundamental Nivo dentro da aldeia. Elas também participam de um coral que busca preservar, desde cedo, a cultura indígena. Ele é composto por  crianças, com idades entre 5 e 12 anos, que vivem na comunidade.

Ouça áudio com a secretária Maria da Glória Menegotto e com o cacique Alexsander Candinho Ribeiro:

 

Fotos: Celso Sgorla