Farmácia Solidária de Farroupilha é case de logística reversa de medicamentos em Brasília

A primeira dama e Deputada Estadual eleita Francis Somensi participou nesta terça-feira, (20) de audiência pública para tratar do tema logística reversa de medicamentos que tramita no congresso desde 2011, mas que ainda não tem uma solução definitiva. Afinal, de quem é a responsabilidade pelos resíduos de medicamentos que muitas vezes acabam impactando o meio ambiente? Em oito anos de discussão não se chegou a um consenso entre a Indústria Farmacêutica, o governo, os conselhos e os empresários do ramo.

O fato é que Francis Somensi levou o caso da Solidare como bom exemplo de política pública que já deu certo e comprova seus resultados econômicos, sociais e ambientais na teoria e na prática. Segundo a Deputada Estadual eleita, em três anos, o projeto já enviou para o descarte correto mais de duas toneladas de medicamentos. Na cidade de Farroupilha, com pouco mais de 70 mil Habitantes, o programa Farmácia Solidária – Solidare, foi instituído pelo decreto 5.841 de 2015 e a responsabilidade do descarte é da Secretaria do meio ambiente do município. Hoje não se tem uma legislação estadual ou federal específica para o tema.

” Nós ficamos muito felizes em representar o nosso estado e a nossa cidade em Brasília mostrando um exemplo que já deu certo, e que o medicamento tendo um cuidado técnico de armazenamento, triagem e distribuição, antes de ser jogado fora como lixo pode, sim, ajudar milhares de pessoas, evitar o descarte incorreto e proteger o meio ambiente”, explica Somensi.

A audiência pública foi solicitada na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável pelo Deputado Federal Carlos Gomes, que presidiu o debate.

Para Daniela Buosi Roms do ministério da Saúde, a solução começa com pequenas ações como esta do município de Farroupilha. ” Nós temos que nos desarmar e pensar coletivamente…temos que aprender com exemplos como esse dos medicamentos (Solidare), dos agrotóximos (citando o exemplo da Inpev que ha 8 anos gerencia a logística reversa de recipientes de agrotóxicos abrangendo todo o território nacional), e entrar nessas discussões com pensamentos e ações positivas”, conclui.