Presidente da Associação Gaúcha de Avicultura diz que setor tem importância social maior do que econômica

A Avicultura do Rio Grande do Sul, uma força do Agro Brasil, Importância Sócio Econômica. Esse foi o tema da palestra na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Farroupilha, nesta quinta-feira, 15. O palestrante foi o presidente da Associação Gaúcha de Avicultura (ASGAV) e do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do RS (SIPARGS), Nestor Freiberger. Ele disse que o setor é muito importante para o desenvolvimento social, demonstrou muita preocupação com a guerra fiscal e com os riscos que a avicultura corre se não tiver políticas rígidas sobre as questões sanitárias.

Para Nestor, a Avicultura tem um papel muito mais social do que econômico, na medida em que mantém mais de 40 mil empregos diretos e mais de 800 mil indiretos. Ele justifica ainda essa importância, ao relatar que a Avicultura segura o homem no campo, oferece tecnologia para a produção, movimenta o setor de transportes e outros serviços. O Rio Grande do Sul possui em torno de 7.500 produtores no sistema integrados para a produção de frango e ovos. Ele entende que no momento esse é o melhor sistema, pois leva ao produtor, tecnologia, segurança sanitária e dispensa o capital de giro do associado.

No Brasil o maior produtor de aves é o Paraná, motivado por subsídios que o coloca em vantagem na guerra fiscal. O Rio Grande do Sul estava em segundo lugar, mas nos últimos anos perdeu para Santa Catarina. Atualmente no Brasil são abatidos cerca de 820 milhões de frangos por ano. O Rio Grande do Sul, contribui com 66 milhões por ano. Dessa produção, 34% são exportados principalmente para a Ásia e Europa, já na produção de ovos, somente 1% é comercializado fora do território nacional.

 

Foto: José Theodoro