Redução de verba no IFRS Campus Farroupilha pode chegar a 40% e já provoca cancelamento de atividades

O Ministério da Educação anunciou no dia 30 de abril um contingenciamento de 30% no orçamento de todas as instituições de ensino federais do país. A medida preocupa os reitores e diretores, pois compromete o funcionamento das escolas e universidades. Entre os órgãos de ensino afetados está o Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS). Ao todo, são 17 campus no Estado, sendo que três deles ficam na Serra gaúcha.

Em Farroupilha, o campus do IFRS, que atende cerca de 1000 estudantes, divididos entre educação básica, técnica e superior, já está sentindo os reflexos da medida. De acordo com o diretor-geral da unidade, Leandro Lumbieri, desde o dia 02 de maio, diversas ações, serviços e benefícios foram cancelados.

“Optamos por cancelar todos os eventos do Instituto Federal, os encontros de extensionistas, então, os alunos que fazem trabalhos de extensão estão cancelados, os eventos de pesquisa, os eventos de ensino, a capacitação dos servidores, os encontros de jogos estudantis dos Institutos Federais foram todos cancelados, bolsas para alunos também, as que tem edital a gente termina, mas conforme vai vencendo o edital elas não vão sendo renovadas, qualificação de servidores, completamente comprometida, bolsa para capacitação dos docentes canceladas. Todo corte em educação ele reflete diretamente no aluno”, explica o diretor-geral.

O campus de Farroupilha recebeu, no início do ano, um recurso de aproximadamente R$ 2 milhões, sendo R$ 100 mil para investimento e R$ 1,9 milhão para custeio das atividades. Além desse valor, a instituição paga, obrigatoriamente, R$ 230 mil de assistência estudantil. Mesmo que o IFRS seja obrigado a pagar esse benefício dos alunos, corte foi feito sobre o montante final, ou seja, o campus teve R$ 670 mil contingenciados. Isso representa que, na prática, o corte é do que os 30% anunciados, podendo chegar a 40%.

Diversas unidades estação com possibilidade de fechar ainda neste ano. No campus de Farroupilha, segundo Lumbieri, será necessário fazer um estudo e chegar a uma decisão coletiva, juntamente com os demais membros da instituição. Ele acredita que, se esse contingenciamento for mantido e se a situação permanecer a mesma no ano que vem, será difícil iniciar o ano letivo de 2020.

 

Ouça a entrevista com o diretor-geral do Campus Farroupilha do IFRS, Leandro Lumbieri:

 

Foto: IFRS – Campus Farroupilha