Associação Cultural Moinho Covolan busca tombamento do prédio antes de leilão marcado para fevereiro

Quem circula pelo centro de Farroupilha, mais especificamente pela esquina das ruas Independência com Mal. Floriano Peixoto, há anos visualiza um prédio antigo e imponente. Aos “mais vividos”, muitas são as lembranças do Moinho Covolan, que por décadas produziu farinha e foi gerador de energia para o município. Para outros, o espaço é sinônimo de lazer, cultura e arte. Seja como ponto histórico ou de fomento cultural, o Moinho faz parte da vida de uma boa parcela dos farroupilhenses. E é pela preservação desse local que a Associação Cultural do Moinho Covolan vem trabalhando, ainda mais agora que um leilão, marcado para o dia 18 de fevereiro, coloca em risco este espaço centenário.

Os integrantes do grupo estão preocupados, pois o leilão – que ocorre em razão da falta de acordo entre os herdeiros – abre espaço para compradores, sendo que esses podem querer derrubar a edificação. Uma das principais alternativas para impedir que isso aconteça é o tombamento, que faz com que o bem seja preservado e impede sua destruição ou descaracterização. Segundo a presidente da associação, Ana Paula Rabello, não ter o tombamento faz com que este patrimônio corra o risco de cair em ruínas.

O processo de tombamento do Moinho já tramita pela Prefeitura Municipal de Farroupilha e está sendo estudado pelo setor responsável. Conforme o secretário de Gestão e Desenvolvimento Humano, Rafael Portolan Colloda, no início da gestão, o vice-prefeito Jonas Tomazini organizou o processo para dar o andamento previsto pela legislação. Assim, os documentos também foram encaminhados à procuradoria para revisão e atualização das questões técnicas.

Colloda explica que, posteriormente, será nomeada uma comissão para debater o assunto. Se o tombamento for a solução que a comissão achar mais adequada, deverá proceder com a notificação dos proprietários. “Isso pode culminar com o tombamento, pelo menos provisório. Mas isso é uma hipótese que tem que cumprir essas etapas anteriores que eu mencionei. Então, chances de tombamento, elas existem, mas antes tem que seguir esse caminho”, salienta.

Para o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (COMPHAC), a situação do prédio Moinho Covolan já foi pauta de diversos encontros, inclusive visitas ao local. De acordo com a presidente do grupo, Simone Buscaino, nos últimos anos foram recebidos documentos do Ministério Público Federal solicitando que fossem adotadas providências para o tombamento provisório do Moinho. Além disso, o Ministério Público Estadual encaminhou um estudo, feito pela historiadora Cíntia Souto, que frisava a necessidade de um controle de intervenção e de uso da edificação. Assim, em 2019, foi aconselhado ao prefeito da época, Claiton Gonçalves, que houvesse o encaminhamento de um tombamento provisório.

Uma das preocupações quanto ao tombamento do Moinho é o fato de ser de propriedade particular. Por essa razão, a presidente do COMPHAC explica que a Prefeitura Municipal teria que adquirir o imóvel, com uma justa indenização aos proprietários, ou aguardar pela conformidade entre os herdeiros deste patrimônio. “Isso é algo que tem que ser discutido por bastante tempo, não é algo simples”, relata Simone.

MOINHO HOJE

Desde a década de 90, um dos herdeiros da família, Gustavo Covolan, vem conservando a estrutura. Já foram feitos reparos e algumas intervenções maiores, como nas janelas. Em seu interior, o Moinho abriga um museu, que preserva a história por meio de utensílios, fotos e textos. Além disso, ele atua como local para festas e shows, workshops, exposições artísticas, brechós, projetos voluntários, entre outros. A presidente Ana afirma que o espaço veio se reinventando ao longo dos anos, mas sempre mantendo sua presença no cotidiano do município.

JUNTOS PELO MOINHO

Enquanto o tombamento ainda é incerto, os apoiadores do Moinho buscam engajar a comunidade de Farroupilha e região pela causa da preservação do espaço. Um abaixo-assinado em prol do tombamento do prédio já alcançou mais de 7 mil assinaturas. Além disso, foi lançada a campanha sócio amigo da Associação Cultural Moinho Covolan, que busca aumentar o número de apoiadores. A participação não tem custo e quem se cadastrar receberá um certificado (arte digital) de sócio amigo.

VÍDEO MOINHO COVOLAN

 

Entrevista com a presidente da Associação Cultural do Moinho Covolan, Ana Paula Rabello:

 

Entrevista com o secretário de Gestão e Desenvolvimento Humano, Rafael Portolan Colloda:

 

Entrevista com a presidente do COMPHAC, Simone Buscaino:

 

Vídeo: Muinho TV/YouTube
Foto: Gleici Trois