Comércio não essencial poderá trabalhar com pegue e leve e drive-thru

A pedido de diversas regiões, o Governo do Estado fez uma mudança no protocolo da bandeira vermelha para o funcionamento do comércio varejista não essencial. Com isso, passa a ser autorizado os formatos pegue e leve (take away) e drive-thru, além do e-commerce que já estava permitido.

De acordo com o governador do Estado, Eduardo Leite, essa é uma medida para evitar a estagnação da economia em alguns setores. “Diante da situação que temos observado com um início de estabilização das internações e pelo aumento de regiões em vermelha, vemos como uma maneira de preservar economia sem aumentar muito o risco à população”, argumenta o governador.

O prefeito de Farroupilha Pedro Pedrozo pede que a população siga as orientações do decreto estadual, mas que cada estabelecimento tome conhecimento de seu conteúdo e, em caso de dúvidas, procurem suas entidades, assim como a própria prefeitura a partir desta terça-feira. Pedrozo lembrou que a bandeira vermelha não determina o fechamento total das atividades, mas autoriza a abertura com medidas bem restritivas.

CONFIRA COMO FICA A SITUAÇÃO

Restaurantes, lancherias e padarias

Podem funcionar no sistema a la carte, prato feito e bifê sem autosserviço com 50% dos funcionários, além dos sistemas take away (pegue e leve), tele-entrega e drive thru.

Hotéis
Poderão funcionar com 50% dos quartos.

Hotéis em beira de estrada ou rodovias
Podem operar com 100% dos quartos.

Comércio varejista e atacadista de rua
Não essenciais podem atuar com 50% dos trabalhadores ou nas outras modalidades de take away, tele-entrega e teletrabalho.
Essenciais podem operar com 75%, nas mesmas modalidades.

Centros comerciais ou shoppings
Segue os mesmos critérios do comércio de rua, mas com restrição de 50% da lotação.

Revendas e oficinas mecânicas
Podem funcionar com 50% dos funcionários.

Comércio varejista de produtos alimentícios
Podem operar com 75% dos trabalhadores no sistema presencial restrito e outras modalidades de take away, tele-entrega e teletrabalho.

Postos de combustíveis
Podem operar com 75% dos trabalhadores no sistema presencial restrito e sem gerar aglomerações.

Indústria
É dividida por setores, como construção, alimentos, têxteis, vestuário, móveis, veículos, couros, calçados, metalurgia, informática e etc. A maioria poderá atuar com 75% dos trabalhadores, à exceção da construção (50%) e alimentos, bebidas e farmoquímicos e farmacêuticos (100%).

Transporte municipal de passageiros
Poderá funcionar com 60% da capacidade do veículo e o intermunicipal com 75%.

Casas noturnas, bares, pubs, eventos e parques temáticos
Continuam com abertura proibida.

Cinemas, teatros,  casas de espetáculos (dança, circo e similares)
Podem funcionar com 25% dos trabalhadores exclusivo para produção cultural, sem público espectador.

Museus, bibliotecas, arquivos, acervos e similares, ateliês e associações ligadas à cultura (tradicionalistas)
Podem funcionar com 25% dos trabalhadores com atendimento individualizado, com agendamento (consulta local ou pegue e leve).

Academias de ginástica (inclusive em clubes), clubes sociais e esportivos
Podem operar com 25% dos trabalhadores. No caso dos clubes, com atendimento individualizado dos atletas profissionais e amadores por ambiente.

Cabeleireiros e barbeiros
Podem operar com 25% dos trabalhadores.

Lavanderias
Podem funcionar com 50% dos funcionários.

Imobiliárias, escritórios de advocacia e contabilidade
Podem atuar com 50% dos funcionários.

Agência de turismo, excursões
Podem funcionar com 25% dos trabalhadores.

Correios
Podem funcionar com 75% dos trabalhadores.

Saúde e assistência social
Podem atuar com 100% dos trabalhadores, incluindo modalidades de teletrabalho e teleatendimento.

Assistência veterinária
Podem funcionar com 75% dos trabalhadores.

Missas ou cultos religiosos
Permitidos desde que com 25% do público, conforme a capacidade.

Bancos e lotéricas
Podem operar com 75% dos funcionários.

Segurança pública e fiscalização
Atuarão com 100% do efetivo.

Segurança e vigilância privadas
Podem trabalhar com 75% dos funcionários.

CFCs
Podem atender com 75% dos trabalhadores, por meio de ensino remoto (aula teórica), atendimento individualizado (documentos e aula prática).

Funerárias e serviços de utilidade pública como água e eletricidade
Podem funcionar com 100% dos trabalhadores.

Estacionamentos
Podem abrir com 100% dos trabalhadores.

Faxineiros, cozinheiros, motoristas, babás, jardineiros e similares
Podem atuar com 50% dos trabalhadores.

Fonte: Governo do Estado
Foto: Gleici Trois