Glória Menegotto diz que sua campanha foi vencedora na disputa pela prefeitura de Farroupilha

A candidata Maria da Glória Menegotto da Coligação “De Mãos Dadas por Farroupilha” (Sustentabilidade, PSDB, PTB e DEMOCRATAS), alcançou Gloria 18,52% – 7,531 votos, nas eleições municipais deste domingo, 15, na disputa à prefeitura de Farroupilha, ficando em terceiro lugar no pleito. Em relação ao seu desempenho, ela prefere avaliar a campanha, que segundo ela, foi  vencedora, na medida em que todos reconheceram o esforço com a verdade e a transparência. O resultado final tem Fabiano Feltrin eleito com 49,76%, Pedro Pedrozo 29,18% e Sedinei Catafesta, com  2,54% dos votos válidos.

Para Glória, sua candidatura confiou na população e procurou seguir todas as orientações da Lei Eleitoral, mas disse que lamenta que o mesmo não tenha ocorrido com outros candidatos. No seu entendimento ocorreram situações alheias à lei nas últimas horas ao pleito e durante o domingo. “Nós estamos aí hoje com um novo prefeito, com um vice-prefeito e agora em diante é colocar nas mãos de Deus e que seja feito a vontade dele, que dê tudo certo para todos, a final das contas, eu disse e vou novamente falar, Farroupilha é maior do que cada um de nós, qualquer um dos candidatos, que se elegeu ou não”, avaliou.

Com uma cadeira na Câmara, através do Pastor David, ela disse que o seu partido, o Sustentabilidade, vai acompanhar a execução de pelo menos o projeto da candidatura vencedora, que segundo ela, é semelhante ao seu. Glória destaca dois pontos importantes que vai acompanhar, a instalação da Unidade Básica de Saúde (UBS), no bairro Industrial e os reassentamentos das famílias nas áreas verdes. “Eu penso que tem que se colocar a casa em dia, e é a hora de se fazer isso. Em penso que de agora em diante eu vou ver algo que foi prometido e com certeza os problemas serão resolvidos de imediato”, cobrou.

Quanto ao futuro político, Glória afirmou que sua intenção é encerrar, mas está dividida, na medida em que seus apoiadores não admitem que deixe a vida pública. Ela entende que a população farroupilhense não quer que seja prefeita, depois de ter tentado várias vezes, por isso não deseja mais concorrer, mas não descarta participar do pleito nas eleições gerais em 2022, a uma cadeira na Assembleia ou na Câmara Federal. Para isso ela vai se reunir com o partido e ouvir o apelo dos eleitores.

Foto: Gleici Trois

Ouça áudio da entrevista na Rádio Miriam