Município vai assumir obra de creche no Monte Pasqual

O que era para ser  a solução para falta de vagas  na educação infantil, tornou-se  na verdade uma dor de cabeça para muitas prefeituras.

No município de Farroupilha duas escolas de educação infantil que tiveram sua construção iniciada através do Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil – Proinfância, do Ministério da Educação estão abandonadas, se deteriorando e com o mato tomando conta.

Uma delas, no bairro Belvedere,  com 781,26 m² de área construída e que atenderia 60 crianças de 0 a 3 anos de idade em turno integral ou 120 em meio turno está com boa parte de sua estrutura erguida.

A outra, no bairro  Monte Pasqual, que teria 1323,58 m² e atenderia 120 alunos em turno integral ou 240 em meio turno, na mesma faixa etária, tem apenas o alicerce pronto.

Atualmente o município atende 1.240 crianças na educação infantil etapa creche, e conforme a secretaria de Educação existem cerca de 200 crianças na fila espera.

A secretária municipal da Educação de Farroupilha, Elaine Giuliatto, informou que em audiência de conciliação recentemente realizada com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a empresa MVC, que era responsável pela construção das creches e o município de Farroupilha ficou acertado que a creche do bairro Monte Pasqual, que só tem o alicerce pronto poderá ser concluída pelo município, mudando a forma de construção inicial onde seriam usadas chapas prontas feitas de fibra de vidro e gesso acartonado para  a forma de construção tradicional. A secretária  disse que o município  já apresentou projeto que depende agora da aprovação do FNDE. Depois da aprovação  será feita licitação para a realização da obra. Não há prazo definido para a conclusão de todo esse processo.

Quanto à creche do bairro Belvedere que está com a construção mais adiantada, inclusive com paredes erguidas, não há perspectivas sobre sua conclusão e a questão segue judicializada. “Nós recebemos  esses projetos das duas crechês com uma expectativa extremamente alta e hoje estamos com esses elefantes brancos sem ter um destino definitivo para eles”, lamenta Elaine Giuliatto.

A previsão era de que as escolas estivessem prontas em 2014 e aptas a atender os alunos em 2015.

 


Ouça a entrevista com a Secretária Municipal da Educação, Elaine Giuliatto:

 

Foto e imagens: Celso Sgorla