Serra gaúcha é classificada com bandeira vermelha pelo Governo do Estado

O cenário de disseminação do coronavírus e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na décima rodada do Distanciamento Controlado, divulgado na tarde desta sexta-feira, 14, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Isso representa 84,2% da população gaúcha. Entre elas está a macrorregião de Caxias do Sul, que envolve também o município de Farroupilha. Com isso, os prefeitos têm até às 6h domingo para argumentar e contestar a classificação. As bandeiras definitivas serão divulgadas na segunda-feira, dia 13 de julho, e passam a valer no dia seguinte.

De acordo com os dados da Serra Gaúcha, o indicador de hospitalizações confirmadas para Covid-19, registradas nos últimos sete dia, permaneceu praticamente estável, passando de 83 na semana anterior para 82 na atual. Porém, mesmo que o avanço da doença tenha reduzido na velocidade, os valores permanecem crescentes, com o número de internados por Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) em UTI (de 78 para 90), o número de internados em leitos clínicos Covid-19 (de 59 para 67) e de internados em leitos de UTI Covid-19 (de 59 para 69) crescendo.

Rio Grande do Sul

Ao todo são 15 regiões do estado classificadas como de alto risco de contaminação do coronavírus na atualização do modelo de Distanciamento Controlado do Governo do Estado desta sexta-feira. As regiões de Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Capão da Canoa, Palmeira das Missões e Pelotas permanecem na bandeira vermelha. As regiões de Taquara, Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Erechim, Passo Fundo, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul e Santa Cruz do Sul evoluíram de bandeira laranja para vermelha nesta rodada. Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Bagé e Lajeado são as cinco regiões que permaneceram na bandeira laranja.

Dos 391 municípios que compõem as áreas com bandeira vermelha, 218 cidades não tiveram registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de morador nos 14 dias anteriores ao levantamento. Por isso, se adequam à chamada Regra 0-0 e podem adotar protocolos previstos na bandeira laranja por meio de regulamento próprio.