Morre aos 87 anos o cardeal Cláudio Hummes que inspirou o Papa na escolha do nome Francisco

O arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer, divulgou nota de “pesar e esperança” comunicando o falecimento nesta segunda-feira, 04, do cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e prefeito emérito da Congregação para o Clero, aos 87 anos. Seu corpo será velado na Catedral Metropolitana de São Paulo, onde serão celebradas Santas Missas em diversos horários. Na nota, o cardeal Odilo Pedro Scherer disse: “Deus acolha em suas moradas eternas nosso irmão falecido, cardeal Cláudio Hummes, e faça brilhar para ele a luz eterna”.

Natural de Salvador do Sul, no Rio Grande do Sul, entrou na vida religiosa da Ordem Franciscana dos Frades Menores, recebendo a ordenação sacerdotal em 03 de agosto de 1958 e a ordenação episcopal em 25 de maio de 1975. Foi bispo diocesano de Santo André (SP), arcebispo de Fortaleza e arcebispo de São Paulo. Foi feito membro do Colégio Cardinalício pelo Papa São João Paulo II no Consistório de 21 de fevereiro de 2001. De 2006 a 2011 trabalhou ao lado do Papa Bento XVI em Roma, como prefeito da Congregação para o Clero. De volta ao Brasil, ocupou a função de presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, da CNBB, e da recém criada Conferência Eclesial da Amazônia (Ceama).

PROXIMIDADE COM O PAPA FRANCISCO

Dom Cláudio, como era conhecido, foi um dos arcebispos mais influentes na Santa Sé. Em 2013, no Conclave que escolheu o Papa Francisco, Cláudio estava sentado ao seu lado. Em entrevista, Jorge Bergoglio (Papa Francisco) revelou que a escolha do nome Francisco foi inspirada por Cláudio. “Ao meu lado, nas eleições, estava o arcebispo emérito de São Paulo e prefeito emérito da Congregação para o Clero, cardeal Cláudio Hummes, um grande amigo. Quando a situação ficava um pouco perigosa, ele me consolava. Quando os votos chegaram aos dois terços, começaram a aplaudir, porque o papa tinha sido eleito. E ele me abraçou, me beijou e disse: ‘Não se esqueça dos pobres’. E aquela palavra entrou na minha cabeça: os pobres. Pensei em Francisco de Assis”, disse o Papa na época.

Foto: Divulgação/Vatican News