Secretaria de Saúde fala sobre filas de espera e confirma novo prédio da ESF do Industrial e instalação do CAPS Infantil

As reivindicações voltadas à área da saúde são recorrentes nas reuniões da União das Associações de Bairros (UAB). No último encontro, participaram os representantes da Associação Pró-Saúde e da Secretaria Municipal da Saúde, que responderam questões sobre as filas de espera para exames e consultas com especialistas. Também foi anunciada a construção do prédio da Estratégia de Saúde da Família (ESF) do bairro Industrial – que hoje funciona junto à UAB do América – e a reestruturação do espaço que irá abrigar o novo Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Infantil.

A diretora de Departamento da Secretaria da Saúde, Silvana de Lima, afirma que o projeto arquitetônico da ESF do Industrial já foi concluído pela Secretária de Planejamento, restando o projeto elétrico. “Posteriormente, ele vai para o Ministério da Saúde para aprovação. E nós já temos o local em que ele vai ser construído”, comenta. Para o novo CAPS Infantil será utilizado um prédio já existente, no bairro Cinquentenário. Em abril, a secretária de Planejamento, Cristiane Girelli Chiele, também esteve visitando o espaço para ver quais adequações serão necessárias.

Sobre as filas de espera, Silvana concorda que o existem problemas, principalmente, quando se trata das especialidade feita em Caxias ou Porto Alegre, pela grande demanda regional e estadual. Já os exames que são solicitados nos postos de saúde, segundo ela, costumam demorar até 40 dias. Se levar em conta os exames de ecografia, a demora é maior, pois comtempla diversas especialidades, como mama, próstata, tireoide, abdômen, transvaginal, venosa, entre outras.

Atualmente, o município aguarda a conclusão de uma licitação pelo Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Serra Gaúcha (Cisga) – que possibilita a compra de serviços mais em conta – para a aquisição de exames de outras cidades. Algo semelhante foi feito no ano passado com as biópsias de câncer de mama, que estavam ainda mais represadas por causa da pandemia. Em alguns casos, os pacientes precisaram esperar quatro meses e meio para fazer o exame. A prefeitura fez uma chamada pública, com recursos próprios, para comprar esses exames na região e reduzir a fila de espera.

Foto: Prefeitura de Farroupilha